pour toujours

2.4.13

There's Nothing Like Us ♥


Vou começar a fingir que já não sinto a tua falta de novo. Porque entre mostrar a todos que não sou de ferro e iludir-me, ainda que por breves momentos, prefiro ter uma falsa felicidade. Destrói-me saber que sentes a minha falta e não fazes nada para alterar isso. Como se eu não fosse importante o suficiente para admitires que preferes estar comigo do que sozinho, com ela, ou com outra qualquer. Não era suposto que as coisas fossem assim. Que o teu orgulho alienado destronasse o amor. E eu? Por mais que tente ser orgulhosa, quando falamos de ti, sou uma página em branco. Sou algo que não existe. 
Para meu próprio bem, devia recorrer à racionalidade e ao pragmatismo da coisa e aceitar que o teu coração não me pertence nem voltará a pertencer. E eu sei que há quem olhe para mim como se eu fosse louca. Como se a parte sã da minha alma se tivesse apartado. Talvez. Rodeio-me de preto, de fumo e do travo amargo dos cigarros que cravo à Gabriela. Ela, cuja existência eu abominava, acabou por se tornar num apoio estável e presente, quando tu deixaste de o ser. Quando foste e eu fiquei. Se voltares, eu não sei se ficarei. Só que eu sei que sim. Sei que rastejar não faz parte de quem era, mas faz parte de quem hoje sou.

9 comentários:

Green Eyes disse...

Revejo-me inteiramente neste texto. Está muito bonito e força*

Diana. disse...

Olá, por favor, visita o meu blog, para leres o aviso acerca do bloglovin.
É importante! Não custa nada :) é só seguir.

Vamos todos ser obrigados a aderir de qualquer das formas.

Rosinha disse...

O que aconteceu, Andrii? :s

Diana. disse...

Não querida, não te preocupes.
O blog não aparece no fb, nem o facebook no blog :)

s. disse...

eu estou normal querida <3

s. disse...

é querida, mas podia estar muito melhor <3

s. disse...

uma longa história princesa ..

s. disse...

não sei fofinha <3

S disse...

muito bom. para rastejar é precisa coragem, e isso poucos demonstram. beijoca